Paul McCartney Carreira Solo (14)

Bom, e chegamos a esse disco, praticamente uma coletânea (praticamente porque tem quatro músicas inéditas!) que eu costumo chamar de trilha sonora da minha vida! Preparem-se… porque a babação hoje vai ser grande!!!!!!

Give My Regards To Broad Street (1984)

Um pouco de história: Esse disco é na verdade a trilha sonora de um filme homônimo… um péssimo filme diga-se de passagem. Foi um fiasco de crítica… e se teve público foi pra ver o Paul! No elenco, além dele estavam a Linda (McCartney), o Ringo Starr, Barbara Bach (esposa do Ringo), Bryan Brown, Ralph Richardson e Tracey Ullman. Tem cenas legais, agradáveis, mas o filme parece mais uma colcha de retalhos mal costurada. A história é sobre o desaparecimento de uma fita com gravações originais para um novo disco.

Em compensação a trilha sonora foi de um sucesso absoluto! Composta na sua maioria por regravações, trouxe, entre as inéditas “No More Lonelly Nights”, chegando ao topo em todas as paradas.

Minha opinião/faixas: Bom, eu sou apaixonada por esse disco… ganhei o vinil em 84 mesmo, a propósito, foi meu primeiro disco do Paul em carreira solo, até então eu não conhecia muito o trabalho solo dele. Regravações? Sim, mas com novos arranjos… maravilhosos! Tudo que faltou no filme sobra na trilha sonora, disco muito bem feito, bem produzido… bem tudo. Destaque para a participação da guitarra solo de David Gilmour (pink Floyd).

1. No More Lonely Nights – A música “carro chefe” do disco… tem gente que acha muito pop. Eu acho linda! Sério mesmo a letra da música é linda! “you’ve only got my heart on a string”, e a música, como o título tem uma mensagem otimista, bom, eu avisei que a babação ia ser grande! 😛

2. Good Day Sunshine/Corridor Music (John Lennon/Paul McCartney)/ (Paul McCartney) – Good Day Sunshine é do album Revolver dos Beatles, de 1966… Corridor Music é um extrazinho, praticamente falado, que o Paul colocou no disco pra encaixar no filme. É uma versão atualizada da música, o arranjo dela ficou muito bacana!

3. Yesterday (John Lennon/Paul McCartney) – kkkk, alguém não conhece essa música??????? Bom originalmente foi gravada no album Help dos Beatles, de 1965. Bom, acredito honestamente que a música por si só dispense qualquer apresentação, essa versão traz um arranjo um pouquinho mais sofisticado que o original (que é violão e voz)… tem uma pequena orquestração no fundo, e aqui ela emenda direto com a próxima música que é

4. Here, There and Everywhere (John Lennon/Paul McCartney) – mais uma do Revolver, aqui em “short version”, ele corta a segunda estrofe da música… em compensação tem um nipe de metais no final da música que é de matar qualquer um do coração! E justamente esse nipe de metais torna perfeita a emenda com a próxima música que é

5. Wanderlust – Regravação do Tug of War de 1982… vc se lembra? Foi o meu destaque quando escrevi sobre este disco. Aliás o clipe que eu coloquei foi justamente o da versão do Give my Regards… eu sou completamente apaixonada por essa música, e ele conseguiu fazer uma versão melhor aqui… incluindo naipe de metais, um coralzinho e no final remetendo de volta a Here There and Everywhere! Ah, esse cara é um gênio!

6. Ballroom Dancing – Outra do Tug of War… eu já gostava dessa música, nessa versão ela fica mais animada! Sempre que eu escuto me dá vontade de sair dançando! O arranjo ficou mais pesado e mais rapidinho, acho até que aproveitou melhor o potencialda música.

7. Silly Love Songs/Silly Love Songs (Reprise) – Lançada em um single em 1976 e posteriormente no “Wings at Speed of Sound”. Aliás, também foi o meu destaque no álbum. Essa versão aqui é muito parecida com a original… ah, que eu amo, diga-se de passagem. Mais uma vez temos os metais dando um colorido todo especial à versão. No reprise ela fica meio obscura, mas lembra bem a melodia original.

8. Not Such A Bad Boy – outra inédita. Bom e velho rock’n Roll no melhor estilo Paul McCartney! Daquelas músicas que o refrão gruda na cabeça… você acaba de ouvir mas continua cantando! Eu gosto muito dela, bem animada e pra cima!

9. So Bad – regravação do Pipes of Peace de 1983. Eu acho essa música linda, acho que só não destaquei ela no disco porque é meio pra baixo… eu gosto mais dos vocais nessa versão do que na original, de resto não tem muita diferença.

10. No Values – mais uma inédita! acho que o Paul tava bem animadinho quando fez a trilha desse filme, essa música também é toda animada e pra cima… eu gosto muito dela também! Aliás, eu avisei que eu sou apaixonada por esse disco, então não reclamem…

11. For No One (John Lennon/Paul McCartney) – E mais uma do Revolver! Aliás, a música mais linda do disco (minha opinião). Pois é, ele pegou uma música maravilhosa e perfeita e melhorou. Aqui ela aparece com um arranjo de cordas que é emocionante! Acho que não tem outra palavra melhor pra descrever o que esse arranjo causa em mim.

12. Eleanor Rigby/Eleanor’s Dream (John Lennon/Paul McCartney) / (Paul McCartney) – Bom, aqui vai uma explicação… as músicas do Revolver regravadas aqui (sim, essa é mais uma delas) são composições originais do Paul, mas creditadas à dupla (Lennon/McCartney) por causa de um acordo que os dois tinham. Mais uma vez entra minha opinião totalmente “suspeita”… meu pai, que foi quem me ensinou a ouvir Beatles, ama essa música, é a favorita dele! Eu acho ela maravilhosa! Apesar da história que ela narra ser meio pesada, tem uma melodia maravilhosa (pra não falar muito). Aqui ela ganha uma continuação instrumental, orquestrada e linda!!!! Quem nunca ouviu as duas juntas eu recomendo fortemente que escute… pra mim a grande obra prima do disco!

13. The Long and Winding Road (John Lennon/Paul McCartney) – originalmente gravada no album Let it Be dos Beatles, de 1970. Afe, eu não sei nem o que falar dessa música… sou tão apaixonada por ela que nem sei expressar. O que posso dizer é que é “A” música que me faz chorar… a vida toda. Eu confesso que ela tem uma letra bastante triste, mas é tão, tão linda… Bom, nesse disco ela ganha um solo de sax um pouco diferente da versão original (que tem uma orquestração feita pelo Phill Spector que foi quem produziu o Let it Be, inclusive houve uma desavença entre ele e o Paul, porque o Paul não gostou da versão final orquestrada. Esse foi o motivo pelo qual posteriormente o Macca lançou o “Let it Be Naked” com algumas músicas do Let it Be sem as orquestrações, mas acho que isso é assunto para outro post.

14. No More Lonely Nights (Playout Verssão) – Versão mais dançante de No More Lonely Nights… bem típica de músicas que tocavam em discotecas nos anos 80. Eu particularmente prefiro a versão original.

15. Goodnight Princess – Uma música instrumental com um quê de música antiga (ah, também inédita), onde se ouve o Paul falando algumas coisas, tipo, obrigado por estar conosco, foi legal… esse tipo de coisa, meio uma despedida, na verdade o encerramento do disco!

Destaque: Essa é a parte impossível!!!! Como a proposta da série que estou escrevendo é mostrar a carreira solo do Paul, vou me abster de destacar as regravações dos Beatles, então vou deixar aqui pra vocês essa música que é inédita, linda, e foi um sucesso gigantesco na época!

Anúncios